LUTE

Combata o bom combate da fé. Tome posse da vida eterna, para a qual você foi chamado e fez a boa confissão na presença de muitas testemunhas - 1 Timóteo 6:12

SE DEIXE TRANSFORMAR

Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus - Romanos 12:2

ACEITE O SACRIFÍCIO

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna - João 3:16

VÁ NA CONTRA-MÃO

Converta-se cada um do seu caminho mau e de suas más obras, e vocês permanecerão na terra que o Senhor deu a vocês e aos seus antepassados para sempre. Não sigam outros deuses para prestar-lhes culto e adorá-los; não provoquem a minha ira com ídolos feitos por vocês. E eu não trarei desgraça sobre vocês - Jeremias 25:5-6

REFLITA A LUZ DE JESUS

Pois Deus que disse: "Das trevas resplandeça a luz", ele mesmo brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo - 2 Coríntios 4:6

Pesquisar

29 de dezembro de 2014

RETORNO AO PANTOPRAZOL

Há algumas semanas escrevi sobre minha tentativa de substituir a medicação Pantoprazol, que tomo a quase 5 anos, por limão, aqui e aqui.

Após insistir por quase 3 semanas no suco puro de limão, tive que desistir por apresentar uma azia constante que piorava com qualquer alimento, mesmo aqueles extremamente leves como leite de soja e saladas.

A queimação na boca do estômago era constante, dormia com ela, acordava com ela... enfim, estava me deixando com dor de cabeça e muita irritação.

Mas de qualquer forma não voltei ao estado em que eu estava antes. No início do meu tratamento eu tomei pantoprazol de 40mg por alguns meses e a anos tomava o de 20mg. Nesta retomada, no primeiro dia tomei um comprimido inteiro, mas depois do segundo dia em diante passei a tomar metade de um, ou seja, 10mg.

Já estou no 5º dia de retomada, e nenhuma azia, nenhum problema até aqui. Então, se não consegui suspender a medicação, pelo menos a diminui pela metade, o que já é algo a se comemorar. Imagino que a acidez não decaia tanto e que a absorção e nutrientes não seja tão comprometida. De qualquer forma, planejo voltar ao gastroenterologista  em março para reavaliar o tratamento.

Se o limão funciona mesmo ou não, eu não sei. Para mim parecia que ia funcionar mas nos últimos dias ficou claro que não estava dando em anda, e que os resultados inicialmente promissores morreram na praia, ou porque realmente não funcionavam (placebo) ou porque minha gastrite é de fundo nervoso e o limão não resolve uma acidez tão intensa quando a produzida pela ansiedade e nervosismo.

18 de dezembro de 2014

MAIS SOBRE O ABANDONO DO PANTOPRAZOL


ATUALIZAÇÃO: INFELIZMENTE ISSO NÃO FUNCIONOU, LEIA AQUI.

Quando eu falei que estava abandonando o pantoprazol há cerca de uma semana, não sabia que já no mesmo dia teria outra crise de azia, e pelo menos mais uma dias depois. O consumo do limão ajuda bastante, mas não é a solução mágica. Não há solução mágica. O que há é uma série de mudanças que juntas, resolvem o problema. É isso que tenho buscado.

A mudança da alimentação é um dos fatores mais importantes. Nos dias em que tive azia foi quando comi coisas que não devia ter comido em quantidades indevidas. Coisas simples como panquecas de carne, ou até mesmo beber suco durante a refeição pioram minha situação. Daí que comer mais verduras cruas e vegetais, carnes magras e evitar beber durante as refeições é o básico a se fazer quando se deseja parar com a medicação, além de evitar comer e se deitar em seguida. Não faz sentido pensar que vai poder continuar a comer o que quiser, quando quiser, e se manter sem problemas com a gastrite.

Outro fator que percebi que dificulta muito o processo é que minha gastrite é, acima de tudo, nervosa. Aos finais de semana dificilmente tenho uma crise, mas durante a semana, principalmente naqueles dias em que algum problema mais estressa e abala, é quando a crise vêm e eu acabo sendo obrigado a recorrer a um antiácido pontual.

O fato de ser nervosa é tão obvio que mesmo quando como algo mais pesado no jantar (ontem eu tive que comer rápido então fomos a um Burguer King), pelo fato de ir para casa e relaxar já evita que a azia surja na maioria das vezes.

Ainda tenho que voltar a me consultar com um médico gastrointestinal, mas por enquanto o limão e a calma ainda são o melhor remédio.

12 de dezembro de 2014

ABANDONANDO O PANTOPRAZOL


ATUALIZAÇÃO: INFELIZMENTE ISSO NÃO FUNCIONOU, LEIA AQUI.

Já faz 4 meses que não posto nada. Muita coisa aconteceu nesse período, muitas mudanças de vida, e na correria nunca sobra um tempo para escrever.

Bem, uma das mudanças é com relação a minha recente tentativa de abandonar o uso da medicação chamada pantoprazol, que tem efeito similar ao omeprazol, atuando no aumento do p.h. do estômago diminuindo sua acidez excessiva que causa refluxo gastroesofágico.

Apesar de tomar a dosagem mínima de 20mg diárias e de ter tido informações sobre a segurança da medicação (de fato, esses anos todos gastrite não foi um problema para mim e não tive nenhum efeito colateral) eu já o usava a 5 anos (desde quando tive uma incrível dor no tórax que acabou sendo diagnosticada como refluxo) e após ler artigos que indicam o perigo do uso prolongado de antiácidos (por mais de 2 anos, como no meu caso), eu decidi tentar parar de tomar.

Na verdade minha nutricionista já havia me falado sobre a necessidade de suspender a medicação devido a esse risco muito antes desses artigos começarem a surgir. O fato do p.h. natural do estômago ser mudado com tal medicação impede que a digestão e absorção de vários nutrientes ocorra adequadamente, com destaque para alguns mais importantes como cálcio e vitamina B12.

Mas o fato é que sem a medicação, a gastrite volta. Estresse (que nestes últimos meses tem sido intensos), ansiedade, alimentação inadequada e sedentarismo ajudam, mas o fato é que desde criança eu tenho esse problema, que era tratado de forma totalmente caseira com leite de magnésia e sal de fruta.

Comecei a pesquisar sobre opções da medicina natural e me deparei com o limão, por mais estranho que isso possa parecer a princípio. Como o limão, que é ácido, pode ajudar a diminuir a acidez? As repostas encontrei no site Doce Limão.

Descobrir que o limão, apesar de ácido, desempenha forte efeito alcalinizante no estômago me deixou surpreso. Funcionando como uma espécie de omeprazol natural, o limão tem inúmeras outras vantagens, sendo a vitamina C a mais conhecida, mas atuando também como um poderoso desintoxicador do organismo.

Depois de ler os depoimentos a respeito do uso do limão contra a gastrite e azia, me animei a começar um teste. Após ler mais alguns artigos, me convenci de que deveria tentar a substituição do pantoprazol pelo limão de forma sistemática, contínua e moderada.

Assim, há duas semanas parei de tomar pantoprazol e comecei a tomar o limão. O suco de um limão inteiro espremido logo pela manhã, em jejum (puro, sem água, açúcar, mel ou adoçante) e um repeteco dessa mesma dose a noite, antes do jantar. De preferência 30 minutos antes de comer ou beber qualquer coisa.

Fiz isso acompanhado de mudanças significativas de alimentação, procurando comer mais verduras e vegetais crús (vivos, como a autora do site cita) e não beber mais durante as refeições (principalmente bebidas adoçadas e carbonadas). Diminuir as doses de café também estavam no pacote. O restante não era um problema para mim (não fumo e consumo pouco álcool), mas sair do sedentarismo ainda é difícil devido a outros problemas. Mas manter a alimentação "na linha" é algo difícil para mim. Ontem mesmo quase fraquejei e comi uma pizza. Consegui optar por um lanche natural cheio de alface e rúcula.

Os resultados do teste foram os seguintes até aqui:


  1. No primeiro dia não senti absolutamente nenhum aumento da acidez.
  2. No segundo e terceiro dias, tive um pouco de azia. Mas depois descobri que isso ocorreu porque, ao parar com o pantoprazol, o organismo teve um efeito rebote. Enquanto se toma a medicação o organismo entende que há uma supressão da acidez e isso o obriga a produzir um nível maior de ácido estomacal na tentativa de manter a acidez adequada. Quando se tira o remédio a acidez elevada continua por um tempo até que o organismo entenda que não tem mais nada suprimindo. Ai os níveis de acidez se normalizam novamente após algum tempo. Por isso que a retirada do pantoprazol (ou omeprazol) devem ser feitas aos poucos e sob orientação médica.
  3. Do quarto dia em seguida as coisas melhoraram, pois foi um final de semana onde dormi muito e descansei bastante, e onde passei 2 dias comendo apenas peixe fresco e comendo salada e frutas (evitando aquelas coisas que o site indicava como ruins para a acidez, como cebola e tomate).
Atualmente estou indo para a 3ª semana de limão. Apesar de ser inicialmente incômodo o sabor (acaba-se acostumando) e ter que bochechar com água após a ingestão (para impedir que o ácido do limão ataque o esmalte dos dentes), a experiência está sendo muito boa. A qualidade da saúde se mantém e o fantasma de enfrentar uma desnutrição silenciosa sumiu e agora sei que agora meu organismo vai absorver os nutrientes com eficiência. A vitamina C diária será um reforço positivo para o sistema imune, e o valor que gasto semanalmente com limões, na ponta do lápis, é bem inferior ao do pantoprazol. A digestão melhorou, e associada a mudança que já havia feito anos atrás de comer bem cedo e deitar apenas umas 3 ou 4 horas depois de me alimentar, continuo sem nenhum episódio de refluxo noturno.

Não me arrisquei a fazer o tratamento de desintoxicação com limão que compreende a ingestão progressiva de sucos de limão inteiros (com casca e tudo) chegando a tomar 10 frutos por dia. Acho isso radical demais. Além disso meu foco não é a desintoxicação em si, mas sim controlar a gastrite, e para isso 2 limões por dia parecem ser o suficiente.

Se você busca uma alternativa natural ao omeprazol e pantoprazol, o limão pode ser sua opção. Leia os artigos do site Doce Limão e se tiver disposição consulte um médico ayurvédico para lhe orientar adequadamente.

E que Deus o abençoe a todos nós com uma melhora de saúde!

12 de agosto de 2014

A IMPORTÂNCIA DO EXEMPLO DA LIDERANÇA


A história do Bezerro de Ouro narrada no livro de Êxodo é bem conhecida: Moisés estava no monte com Deus por muito tempo, e o povo (carregado de costumes pagãos adquiridos durante seus anos de escravidão no Egito) não teve fé em Deus sem seu escolhido para liderá-los. Pedem então a Arão:

"O povo, ao ver que Moisés demora­va a descer do monte, juntou-se ao redor de Arão e lhe disse: "Venha, faça para nós deuses que nos conduzam, pois a esse Moi­sés, o homem que nos tirou do Egito, não sabemos o que lhe aconteceu"." - Êxodo 32:1

A liderança estava naquele momento nas mãos de Arão, eleito como o 1º sacerdote do Deus Altíssimo. E esta liderança foi fraca, pois deu vazão ao pecado do povo, e entregou a eles exatamente o que desejavam: um ídolo.

As consequências desse ato são conhecidas e culminaram com o exílio de 40 anos no deserto. Isso porque Moisés pediu misericórdia a Deus pelo povo, pois o desejo do Senhor era acabar com todos ali naquele momento, tamanha sua transgressão em negar um Deus que havia se manifestado a favor deles de inúmeras formas, muitas sobrenaturais e incontestáveis.

Mas isso não acabou por ai.

Em minhas leituras dos lívros de 1 e 2 Reis, noto a quantidade de reis de Judá ou Israel que o autor introduz como "Ele pecou muito contra Deus e levou o povo  a cometer pecados piores do que antes".

A liderança, representada neste livro na figura do rei, é EXEMPLO. Assim como Arão deixou o povo pecar (ele poderia ter repreendido a todos, mas não o fez) estes reis fizeram o mesmo, não apenas dando vazão aos desejos populares que iam contra o Senhor, mas ele próprio cometendo pecados, praticando adoração a ídolos, fomentando o culto a deuses pagãos, profanando o Templo e muito mais, tudo aos olhos de todo o povo. Demonstravam assim ao povo o que ele acreditava, e indiretamente fazia disso um convite a própria prática do pecado.

É obvio que as pessoas conscientes não são levadas pelos exemplos ruins dos líderes (ou nos dias atuais até mesmo de celebridades, ou seja, de pessoas que exercem alguma influência nas massas). Pessoas conscientes não são facilmente influenciadas, e sabem discernir entre o certo e o errado tendo a palavra de Deus como referência.

Mas as massas tem vida própria, e a degradação moral acompanha aquilo que é difundido na mídia, que em ultima instância é o canal de influência pela qual os atuais "reis" demonstram seus exemplos e propagam suas filosofias e ideologias. Opiniões divergentes que tentam amenizar ou anular conhecimentos prévios sobre a vontade de Deus são uma constante, e visam apenas nos levar para longe do Senhor, pois tais práticas e ideologias partem do pressuposto de que Deus não existe, portanto não existe pecado, então como a máxima esotérica diz, "faz o que tu queres, pois é tudo da lei". E assim o povo peca.

Saber observar  com consciência seu líder (ou a pessoa que exerce alguma influencia sobre você), e até mesmo escolhê-lo (já que vivemos em um regime democrático) é fundamental. Somos humanos e como tal, altamente influenciáveis.

Sejamos influenciados por Jesus, portanto.

17 de junho de 2014

ERROS DE ATUALIZAÇÃO DO WINDOWS UPDATE PARA WINDOWS 7 - MSCONFIG

Estes dias tem ocorrido com meu computador um erro chato que já ocorreu tempos atrás, com relação a incapacidade de realizar as atualizações automáticas do Windows Update em meu sistema operacional (Windows 7 / 64 bits). Imagino que se você continuar a ler, deve estar com um problema parecido, se não o mesmo.

Basicamente o erro não permite que atualizações automáticas baixadas pelo sistema operacional sejam instaladas, então toda vez que você desliga o computador ele tenta fazer a instalação das atualizações, que precisam ser continuadas na próxima inicialização, momento esse em que o erro ocorre e toda a instalação da atualização é desfeita.

Tela com erro de atualização no Windows Update
clique para ampliar

Detalhe do defeito (código 80070005)
clique para ampliar
O erro ocasiona uma tentativa em looping infinito de instalação das mesmas atualizações, o que "trava a fila" de updates do sistema e tira sua alegria de viver, porque todo shutdown e boot ficam muito mais lentos.

Por que isso ocorre? Não sei exatamente, mas faço uma ideia: conflitos com algum programa instalado por você em seu sistema operacional, ou algum serviço adicional que tenha habilitado, eu sei lá. Debugar esse tipo de erro costuma ser bem complicado. Mas acredito que seja isso porque a solução aponta nesse sentido.

A solução, falando de forma bem direta, é desabilitar tudo o que não é essencial no Windows e realizar um novo boot.

Você pode fazer isso de duas formas: inicializando o Windows em "Modo de Segurança" (o que eu não testei, mas deve funcionar) ou usando o MSCONFIG para desabilitar tudo que não seja um software ou serviço original Microsoft do boot do Windows (mesmo que temporariamente).

Se deseja fazer isso, siga essa receitinha de bolo que não é pra ter erro:

1) Clique no botão iniciar e então digite msconfig na barra de pesquisa de programas. Isso fará com que o msconfig seja aberto.

Tela do MSCONFIG
aba de serviços
clique para ampliar
2) Vá na aba Serviços. Marque o checkbox ocultar todos os serviços Microsoft, e então aparecerão apenas os serviços que não são originais do sistema operacional. Escolha a opção desativar tudo e eles serão desativados. Isso deixará que os serviços essenciais da Microsoft sejam iniciados normalmente.

Tela do MSCONFIG
aba de inicialização de programas
clique para ampliar
3) Agora vá na aba iInicialização de programas. Escolha a opção desativar tudo e eles serão desativados.

4) Clique em OK. O msconfig informará que precisa reiniciar o sistema operacional. Pode escolher a opção para não reiniciar, assim você ganhará tempo.
5) Vá ao Windows Update e instale as atualizações. Após as mesmas serem instaladas ele pedirá para reiniciar o sistema. Reinicialize-o.

6) No boot da reinicialização você verá que a instalação das atualizações ocorrerão de forma miraculosa. Parabéns! O problema foi contornado!

7) Você pode executar o passo 1 novamente e voltar às configurações de boot originais do seu sistema. Você pode fazer isso facilmente indo na aba geral e selecionar a opção inicialização normal. Um reboot do sistema será necessário para que todos os serviços e programas sejam reiniciados com o sistema.

Tela do MSCONFIG
aba geral - restauração da inicialização original
clique para ampliar
8) Digo "pode" porque você pode aproveitar essa oportunidade para você revisar o que está sendo inicializado com seu sistema e remover coisas que lhe sejam inúteis. O software CCLEANER pode ser ser mais indicado para remover as ciosas definitivamente, mas o msconfig lhe permitirá desabilitar o que desejar.

Tome cuidado com o que for fazer. Tenha certeza do que está fazendo antes de fazer qualquer coisa. Essa operação não é complexa, mas não me responsabilizo por qualquer problema que venha a ocorrer caso você o faça, então faça-o por sua conta e risco.

Espero ter ajudado.

16 de junho de 2014

O QUE CADA UM DE NÓS MERECE

Pieter Claesz - Vanitas (1630)
Depois Jeú veio a Jizreel, o que ouvindo Jezabel, pintou-se em volta dos olhos, enfeitou a sua cabeça, e olhou pela janela. E, entrando Jeú pelas portas, disse ela: Teve paz Zinri, que matou a seu senhor? E levantou ele o rosto para a janela e disse: Quem é comigo? quem? E dois ou três eunucos olharam para ele. Então disse ele: Lançai-a daí abaixo. E lançaram-na abaixo; e foram salpicados com o seu sangue a parede e os cavalos, e Jeú a atropelou. Entrando ele e havendo comido e bebido, disse: Olhai por aquela maldita, e sepultai-a, porque é filha de rei. E foram para a sepultar; porém não acharam dela senão somente a caveira, os pés e as palmas das mãos. Então voltaram, e lho fizeram saber; e ele disse: Esta é a palavra do Senhor, a qual falou pelo ministério de Elias, o tisbita, seu servo, dizendo: No pedaço do campo de Jizreel os cães comerão a carne de Jezabel. E o cadáver de Jezabel será como esterco sobre o campo, na herdade de Jizreel; de modo que não se possa dizer: Esta é Jezabel.
2 Reis 9:30-37

Lendo o antigo testamento é difícil pensar em Deus como um Deus de amor tamanha a violência e barbaridade que ocorrem com inúmeras pessoas. Guerras, genocídios, fome, doenças e assassinatos brutais são recorrentes, e os livros de 1 e 2 Reis são ricos nesse tipo de relato. E tais situações bárbaras ocorreram a mando, ordem ou planejamento (profecia) do próprio Deus. Como pode então hoje acharmos que esse mesmo Deus nos perdoa, nos ajuda e nos ama?

Bem, enquanto eu lia o texto acima hoje eu não estava pensando em como Deus podia permitir aquilo. Na verdade, pensava que era exatamente isso o que cada um de nós merece afinal: sofrimento, dor e uma morte brutal, porque somos pecadores, transgredimos as Leis de Deus e devido a isso somos condenados e merecedores inclusive do Inferno, o que é infinitamente pior do que qualquer absurdo que soframos em vida.

Porém, Deus nos deu Jesus, e Jesus nos deu o evangelho. Deus nos deu seu único filho e permitiu que este sofresse exatamente  isso que todos nós (exceto Ele) merecemos, de tal forma que somos livres, DE GRAÇA, desta condenação. Tal livramento sempre esteve disponível, sendo ele o amor motivado pelo próprio amor original de Deus para conosco.

Muitos cristãos ainda sofrem mortes horríveis pelo mundo. Muitos cristãos ainda sofrem terrores iguais ou até piores do que aqueles descritos no antigo testamento. Mas pior do que isso seria o Inferno, e disso a aceitação de Jesus em nossos corações e vidas nos livra.

De fato inúmeros textos do novo testamento explicam o porque que tais coisas ocorrem e continuam a ocorrer. Mas na mesma leitura que fiz hoje Paulo fala em 2 Corintios algo que serve de explicação, já que a vida cristã é uma luta cotidiana que exige enfrentamento da morte constante, e devemos estar cientes desse risco quando aceitamos a Jesus (algo que SEMPRE compensa devido ao prêmio da vida eterna que receberemos):

Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos; E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal. De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida. E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos. Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco. Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de Deus. Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.
2 Coríntios 4:7-16

O cristão está livre, pelo sangue de Jesus, daquilo que merece como punição. Mas se a punição vier assim mesmo, temos que ter o coração pronto para entender que quilo faz parte do plano de Deus, e que nela reside um propósito, e que como em tudo o que vem de Deus, devemos dar graças, mesmo que seja nossa morte.

10 de junho de 2014

PROBLEMAS, DESGRAÇAS E DORES DE CABEÇA: AS TEMPESTADES DA VIDA E SUA FUNÇÃO

Melancolia - Edvard Munch (1894/96)

Eu sou o homem que viu a aflição trazida pela vara da sua ira.
Ele me impeliu e me fez andar na escuridão, e não na luz;
sim, ele voltou sua mão contra mim vez após vez, o tempo todo.
Fez que a minha pele e a minha carne envelhecessem e quebrou os meus ossos.
Ele me sitiou e me cercou de amargura e de pesar.
Fez-me habitar na escuridão como os que há muito morreram.
Cercou-me de muros, e não posso escapar; atou-me a pesadas correntes.
Mesmo quando chamo ou grito por socorro, ele rejeita a minha oração.
Ele impediu o meu caminho com blocos de pedra; e fez tortuosas as minhas sendas.
Como um urso à espreita, como um leão escondido,
arrancou-me do caminho e despedaçou-me, deixando-me abandonado.
Preparou o seu arco e me fez alvo de suas flechas.
Atingiu o meu coração com flechas de sua aljava.
Tornei-me motivo de riso de todo o meu povo; nas suas canções eles zombam de mim o tempo todo.
Fez-me comer ervas amargas e fartou-me de fel.
Quebrou os meus dentes com pedras; e pisoteou-me no pó.
Tirou-me a paz; esqueci-me do que significa prosperidade.
Por isso digo: "Meu esplendor já se foi, bem como tudo o que eu esperava do Senhor".
Lembro-me da minha aflição e do meu delírio, da minha amargura e do meu pesar.
Lembro-me bem disso tudo, e a minha alma desfalece dentro de mim.
Todavia, lembro-me também do que pode dar-me esperança:
Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis.
Renovam-se cada manhã; grande é a tua fidelidade!
Digo a mim mesmo: A minha porção é o Senhor; portanto, nele porei a minha esperança.
O Senhor é bom para com aqueles cuja esperança está nele, para com aqueles que o buscam;
é bom esperar tranqüilo pela salvação do Senhor.
É bom que o homem suporte o jugo enquanto é jovem.
Leve-o sozinho e em silêncio, porque o Senhor o pôs sobre ele.
Ponha o seu rosto no pó; talvez ainda haja esperança.
Ofereça o rosto a quem o quer ferir, e engula a desonra.
Porque o Senhor não o desprezará para sempre.
Embora ele traga tristeza, mostrará compaixão, tão grande é o seu amor infalível.
Porque não é do seu agrado trazer aflição e tristeza aos filhos dos homens.
LAMENTAÇÕES 3:1-33

Fazia algum tempo que uma leitura não era tão especial para mim de acordo com o momento vivido. Nos últimos tempos tenho tido aquela terrível sensação de que tudo está dando errado. Alguns chamam isso de maré de azar, outros de inferno astral. Não importa desde que você entenda o que eu quero dizer. Imagine isso tudo ao mesmo tempo:

  • Problemas de saúde contigo, com sua esposa e até com seu cachorro.
  • Um artigo para finalizar sua pós-graduação que parece ser infindável.
  • Seu emprego está em um momento bastante estressante e instável.
  • Você está impossibilitado de fazer qualquer atividade física por causa do problema de saúde.
  • Você vive em um ambiente com ruído e barulho quase todo tempo, gerando-lhe explosões de ódio, devido a vizinhos donos de carros com problemas de partida há mais de 2 anos que saem com o veículo às 5 da manhã e que ainda por cima tem filhos que parecem cavalos andando pelos corredores do prédio; estabelecimentos comerciais que iniciam atividades barulhentas às 6 da manhã ou que resolvem dar festas irregulares com som alto a noite; colegas de trabalho que ficam conversando generalidades entre si ao seu lado enquanto trabalha, etc.
  • Compras pela Internet que simplesmente não chegam.
  • Serviços contratados que não são realizados, ou quando são, muito porcamente.
  • Transito cada dia pior e motoristas cada vez mais psicopatas.
  • Dentre outros.
O termo "com os nervos à flor da pele" lhe diz algo?

Imagine então o que senti quando li Lamentações 3. Ainda mais quando ele diz em Lamentações 3:57 - Tu te aproximaste quando a ti clamei, e disseste: "Não tenha medo".

Mais adiante, em Lamentações 3:34-38 é dito Esmagar com os pés todos os prisioneiros da terra, negar a alguém os seus direitos, enfrentando o Altíssimo, impedir a alguém o acesso à justiça; não veria o Senhor tais coisas? Quem poderá falar e fazer acontecer, se o Senhor não o tiver decretado? Não é da boca do Altíssimo que vêm tanto as desgraças como as bênçãos?.

Nos sentimos muito revoltados quando sofremos. Imputamos à situação um caráter de injustiça e não merecimento do mal, mas a verdade da qual esquecemos é esta revelada neste texto: Deus está no controle de TODAS as coisas, e tanto as bençãos quanto as desgraças provêm dEle. Muitas pessoas falam que tudo o que nos ocorre de mal é culta do outro, ou de Satanás. Mas leia o que o texto diz: tanto bençãos quanto desgraças são decretados pelo Senhor!

Se passamos portanto por situações ruins e desgraçadas, temos que ter em mente isso, e entender que:

  1. Tudo de ruim que sofremos, nós de fato merecemos devido a nossos pecados contra o Senhor. Na verdade, merecíamos muito mais.
  2. As desgraças ocorrem com autorização de Deus, pois Deus é onipotente e Senhor.
  3. As desgraças tem seu propósito no plano de Deus e são fruto de seu amor por nós. As vezes são a única forma de disciplina para que a pessoa entenda, aprenda ou mude algo em sua vida. Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor nem se magoe com a sua repreensão, pois o Senhor disciplina a quem ama, assim como o pai faz ao filho de quem deseja o bem - Provérbios 3:11-12
  4. Deus não nos entrega às desgraças pura é simplesmente. Como o texto acima diz, Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. Sua natureza é misericordiosa e seu amor se renova todas as manhãs.
  5. Somos salvos pela graça, de forma imerecida, por amor e pelo sacrifício de Jesus Cristo. Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie - Efésios 2:8-9.
Assim, percebi hoje que entender um pouco mais sobre a natureza do sofrimento e que ele vem do Senhor é um passo muito grande para diminuir a revolta, o que é algo muito intenso e explosivo em mim. Costumo reclamar que o ser humano é péssimo e só causa conflito com seus semelhantes, mas no final das contas não há por que me revoltar já que sou igual ou pior a todos eles, e cometo os mesmos erros para com eles e, mais grave do que isso, para com Deus.

A oração que Jesus ensinou, "Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido" fecha o ciclo.

O sofrimento é santo pois nos ensina muito.

Sofrer nos leva a compaixão, pois por meio dele criamos empatia com os que sofrem, e assim amá-los torna-se mais fácil.

Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda a consolação; Que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, com a consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus. Porque, como as aflições de Cristo são abundantes em nós, assim também é abundante a nossa consolação por meio de Cristo. Mas, se somos atribulados, é para vossa consolação e salvação; ou, se somos consolados, para vossa consolação é, a qual se opera suportando com paciência as mesmas aflições que nós também padecemos; - 2 Coríntios 1:3-6

Amar a Jesus e a Deus, assim, também se torna mais fácil, pois Jesus sofreu por nossos pecados e Deus sofre por nós todos os instantes em que pecamos contra Ele.

Que o Senhor me perdoe por todo o ódio e revolta, e me permita adorá-lo em meio às tempestades, ensinando o meu coração e a minha mente, para sempre, que tudo está sob o controle do Senhor.

8 de maio de 2014

A IDOLATRIA DE SALOMÃO E A REALIDADE DE QUE BOAS AÇÕES NÃO JUSTIFICAM AS MÁS

King Solomon's idolatry (1644)
Salomon Koninck


E o rei Salomão amou muitas mulheres estrangeiras, além da filha de Faraó: moabitas, amonitas, edomitas, sidônias e hetéias, das nações de que o Senhor tinha falado aos filhos de Israel: Não chegareis a elas, e elas não chegarão a vós; de outra maneira perverterão o vosso coração para seguirdes os seus deuses. A estas se uniu Salomão com amor.
E tinha setecentas mulheres, princesas, e trezentas concubinas; e suas mulheres lhe perverteram o coração. Porque sucedeu que, no tempo da velhice de Salomão, suas mulheres lhe perverteram o coração para seguir outros deuses; e o seu coração não era perfeito para com o Senhor seu Deus, como o coração de Davi, seu pai, porque Salomão seguiu a Astarote, deusa dos sidônios, e Milcom, a abominação dos amonitas.
Assim fez Salomão o que parecia mal aos olhos do Senhor; e não perseverou em seguir ao Senhor, como Davi, seu pai. Então edificou Salomão um alto a Quemós, a abominação dos moabitas, sobre o monte que está diante de Jerusalém, e a Moloque, a abominação dos filhos de Amom. E assim fez para com todas as suas mulheres estrangeiras, as quais queimavam incenso e sacrificavam a seus deuses.
Pelo que o Senhor se indignou contra Salomão; porquanto desviara o seu coração do Senhor Deus de Israel, o qual duas vezes lhe aparecera. E acerca deste assunto lhe tinha dado ordem que não seguisse a outros deuses; porém não guardou o que o Senhor lhe ordenara.
Assim disse o Senhor a Salomão: Pois que houve isto em ti, que não guardaste a minha aliança e os meus estatutos que te mandei, certamente rasgarei de ti este reino, e o darei a teu servo. Todavia nos teus dias não o farei, por amor de Davi, teu pai; da mão de teu filho o rasgarei; porém todo o reino não rasgarei; uma tribo darei a teu filho, por amor de meu servo Davi, e por amor a Jerusalém, que tenho escolhido.
1 Reis 11:1-13
Lendo os livros do profeta Samuel que contam a historia de Davi e depois o livro de 1 Reis, foi com dor no coração que vi a queda de Salomão em um assunto que, pelo menos para nós leitores, era tão obviamente um pecado grave. O homem era o mais sábio da face da Terra e tinha intimidade imensa com Deus, e mesmo assim caiu. Ai de nós, pessoas com sabedoria infinitamente menor.

Salomão se deixou seduzir pelo perigo sutil da influência. Deus o havia advertido anteriormente, não só a ele mas a todo o povo de Israel sobre tal risco. Mas não deu atenção a estes, e seja por motivação política, seja por motivação realmente espiritual, praticou idolatria e adorou a outros deuses, inclusive criando altares para tais deuses. Daí as lendas de que a estátua da figura de  Baphomet (que não se trata de um demônio mas sim de uma figura esotérica carregada de significados diversos e uma rica simbologia ocultista) foi encontrada pelos templarios no templo de Salomão, fruto de sua idolatria e alegados estudos esotéricos antigos. Algo que demanda de confirmação histórica obviamente, e que preenche livros, blogs e discussões há séculos.

Baphomet
Existe muito a ser falado e muitos ensinamentos a serem tirados dessa passagem, mas hoje, enquanto eu lia esse trecho, entendi algumas valiosas (pelo menos para mim):

  • Idolatria pode ser algo tão sutil que penetra em nossas vidas sem que nos demos conta - mesmo que sejamos pessoas sábias. Devemos nos examinar, à luz das escrituras e do Senhor, e avaliar se não estamos sendo idólatras (as vezes com coisas que nem sequer julgamos ser idolatráveis, como emprego, hobbies, dinheiro e nós mesmos).
  • A influência sutil é poderosa como a água: devagar e persistente que muda cursos de rios e desbasta as rochas mais duras. Ela muda nossa forma de pensar.
  • Boas ações não justificam as más. Salomão foi um cara fenomenal e fez coisas incríveis (dentre elas o primeiro Templo). Sob seu reinado Israel prosperou como nunca antes e nunca depois. Mas isso não serviu para anular seu pecado de idolatria, nem cancelou o as consequências desse pecado (a separação do reino de Israel).
  • Sabedoria é bom, mas fé é melhor. A sabedoria de Salomão foi dada por Deus, mas ela não era causa e sim consequência de sua fé e de seu amor a Deus. Entre a sabedoria e uma fé inabalável, eu peço ao Senhor e busco uma fé inabalável, pois creio que ela me permite estar com Deus, e isso sim me leva à sabedoria.
  • A idolatria é a rejeição a Deus e sua natureza divida e única - adorar a outros deuses é assumir que Deus mentiu ao afirmar que Ele é o único Deus, e portanto mentiu ao afirmar que não era capaz de mentir. Isso sem dizer que prestamos aquilo que é devido apenas ao Senhor (adoração) a imagens e deuses irreais.
Nós não somos melhores e nem piores do que Salomão. Somos iguais. Todas as qualidades e defeitos das pessoas retratadas nas escrituras são o que constituem nossa humanidade, e como tal, somos passíveis das mesmas.

Oro ao Senhor grato por Jesus. Sem Ele de fato ninguém se salvaria, tamanhas são as nossas iniquidades.

27 de março de 2014

DEPRESSÃO E O DEMÔNIO DO MEIO DIA

Sorrowing Old Man ('At Eternity's Gate')
Vincent van Gogh


As suas viúvas mais se multiplicaram do que a areia dos mares; trouxe ao meio-dia um destruidor sobre a mãe dos jovens; fiz que caísse de repente sobre ela, e enchesse a cidade de terrores. A que dava à luz sete se enfraqueceu; expirou a sua alma; pôs-se-lhe o sol sendo ainda de dia, confundiu-se, e envergonhou-se; e os que ficarem dela entregarei à espada, diante dos seus inimigos, diz o Senhor.
Jeremias 15:8-9

Van Gogh foi um dos artistas que melhor expressou a depressão em pinturas, e juntamente com Edvard Munch (O Grito) produziu alguns dos quadros mais icônicos sobre essa condição. Mas o que isso tem a ver com as escrituras afinal?

Lendo Jeremias 15 ontem me deparei com o texto acima, e lendo também um interessante estudo sobre o significado do meio-dia na Bíblia, constatei que de fato esse horário era tido como um horário um pouco sinistro de acordo com a Bíblia. Era a hora mais clara do dia, e ao mesmo tempo a mais inesperada para que coisas ruins ocorressem. E como elas ocorreram! Deus demonstra assim que o mal não escolhe hora.

No trecho acima citado Jeremias profetizava contra o povo de Israel devido a suas constantes transgressões contra Deus. A arrogância e prepotência do povo judeu naquela época os levava a uma atitude meramente religiosa e pagã, o que fizeram Deus a castigá-los e dar a eles o pagamento por seu comportamento (mesmo sofrendo por ter que ser duro com seu próprio povo, seus filhos): "Tu me deixaste, diz o Senhor, e tornaste-te para trás; por isso estenderei a minha mão contra ti, e te destruirei; já estou cansado de me arrepender - Jeremias 15:6".

O termo "demônio do meio dia" é análogo à depressão, como muitos sabem (o livro "O Demônio do Meio Dia" de Andrew Solomon é uma leitura extremamente esclarecedora quanto a doença). Mas o que significa afinal o mal ocorrer ao meio dia, ou melhor, o "Destruidor" ser trazido ao meio dia?

Fazendo uma ponte com o texto em Jeremias, fica claro que há alguma ligação com o que hoje conhecemos como depressão. "A que dava à luz sete se enfraqueceu; expirou a sua alma; pôs-se-lhe o sol sendo ainda de dia, confundiu-se, e envergonhou-se".

Na depressão o sol se põe ao meio dia, nos enfraquecemos, ficamos confusos... não é a mesma coisa? Além disso a depressão é um inimigo que surge mesmo às claras luzes de um sol a pino de meio dia. E é implacável. Só os que sofreram com ela direta ou indiretamente sabem de sua capacidade devastadora.

Ao contrário do que muitos ignorantes (no sentido de ignorância sobre o tema) afirmam, não há como evitar a depressão. Algumas pessoas são pré-dispostas a ela naturalmente, e podem aprender a evitá-la por algum tempo com algumas atitudes e terapia, mas nunca o tempo todo. Não é um estado no qual a pessoa se coloca, mas é um buraco aonde se cai e de onde é difícil sair. E quando se sai do buraco, volta e meia acabamos caindo ali de novo, porque como nas ruas brasileiras, os buracos continuam abertos.

As vezes sabemos onde estão estes buracos e aprendemos a evitá-los (situações que nos deprimem) mas muitas vezes não temos escolhas e somos obrigados a passar por eles e resistir - ou não - como pudermos. Situações políticas, econômicas e sociais que nos deprimem são mais difíceis de se evitar do que uma música triste ou uma pessoa irritante, porque evitar tais coisas não estão ao nosso alcance, não estão dentro de nossos poderes. Temos então que aprender a deixar isso passar por nós como vento, sem absorver aquilo, sem deixar que nos atinja.

Para isso vale uma série de coisas: rituais próprios diários como escutar músicas que goste ou fazer atividades físicas, terapia, uso de medicação antidepressiva, ou a boa e velha (e cada vez mais difícil) mudança de vida (para melhor).

No texto de Jeremias, Deus diz que envia o destruidor a aquele povo, mas termina o capítulo com uma promessa, uma esperança de redenção - algo que Ele, em sua infinita sabedoria e amor sempre nos dá.

Portanto assim diz o Senhor: Se tu voltares, então te trarei, e estarás diante de mim; e se apartares o precioso do vil, serás como a minha boca; tornem-se eles para ti, mas não voltes tu para eles. E eu te porei contra este povo como forte muro de bronze; e pelejarão contra ti, mas não prevalecerão contra ti; porque eu sou contigo para te guardar, para te livrar deles, diz o Senhor. E arrebatar-te-ei da mão dos malignos, e livrar-te-ei da mão dos fortes.
Jeremias 15:19-21

25 de março de 2014

SOU A ISRAEL OBSTINADA?

"O Profeta Jeremias"
Michelangelo


Disse-me mais o Senhor: Não rogues por este povo para seu bem. Quando jejuarem, não ouvirei o seu clamor, e quando oferecerem holocaustos e ofertas de alimentos, não me agradarei deles; antes eu os consumirei pela espada, e pela fome e pela peste. Então disse eu: Ah! Senhor DEUS, eis que os profetas lhes dizem: Não vereis espada, e não tereis fome; antes vos darei paz verdadeira neste lugar. E disse-me o Senhor: Os profetas profetizam falsamente no meu nome; nunca os enviei, nem lhes dei ordem, nem lhes falei; visão falsa, e adivinhação, e vaidade, e o engano do seu coração é o que eles vos profetizam. Portanto assim diz o Senhor acerca dos profetas que profetizam no meu nome, sem que eu os tenha mandado, e que dizem: Nem espada, nem fome haverá nesta terra: À espada e à fome, serão consumidos esses profetas. E o povo a quem eles profetizam será lançado nas ruas de Jerusalém, por causa da fome e da espada; e não haverá quem os sepultem, tanto a eles, como as suas mulheres, e os seus filhos e as suas filhas; porque derramarei sobre eles a sua maldade. Portanto lhes dirás esta palavra: Os meus olhos derramem lágrimas de noite e de dia, e não cessem; porque a virgem, filha do meu povo, está gravemente ferida, de chaga mui dolorosa. Se eu saio ao campo, eis ali os mortos à espada, e, se entro na cidade, estão ali os debilitados pela fome; e até os profetas e os sacerdotes percorrem uma terra, que não conhecem. Porventura já de todo rejeitaste a Judá? Ou repugna a tua alma a Sião? Por que nos feriste de tal modo que já não há cura para nós? Aguardamos a paz, e não aparece o bem; e o tempo da cura, e eis aqui turbação. Ah! Senhor! conhecemos a nossa impiedade e a maldade de nossos pais; porque pecamos contra ti. Não nos rejeites por amor do teu nome; não abatas o trono da tua glória; lembra-te, e não anules a tua aliança conosco.
Jeremias 14:11-21

Não foi só nesse trecho do livro de Jeremias que se destacou que o povo de Israel foi "obstinado". Essa é uma palavra bonita que significa que Deus estava cheio deles e de seu comportamento arredio, teimoso e egoísta. Sua fé era instável, eles adoraram outros deuses, faziam o que bem entendiam sem consultar a vontade de Deus antes, mas seguiam sendo extremamente religiosos.

Dentro dessa religiosidade, os "profetas" lhes traziam mensagens de esperança, de paz e prosperidade, como se fossem uma voz apaziguadora que dissesse "vocês são ótimos, está tudo bem, Deus está feliz com todos vocês". Mas a verdade é que todos estavam fazendo besteiras, cometendo pecados contra Deus, e atraindo para si guerra, fome e doença. Ninguém admitia tais coisas, mesmo os líderes religiosos.

Todos se enganavam.

ME SINTO COMO ESTA ISRAEL. Não sei você, mas eu me sinto assim. Acho que essa seja uma reflexão válida: somos realmente o que achamos que somos? Estamos de fato sob a graça de Deus?

Me sinto um tremendo pecador que se engana a maior parte do tempo, que ouve de outras pessoas "está tudo bem, você é bom, um crente sério" mas que sabe que no fundo está fazendo muitas besteiras e que não devia mais fazê-las depois de caminhar anos com Jesus, e que no fim está entristecendo Deus e atraindo guerra, fome e doenças.

Sei da graça de Jesus, a aceito mesmo sem entendê-la, mas constantemente a constatação de minha própria imperfeição e incapacidade de caminhar em santidade me entristecem pois sei que entristecem a Deus. Os mesmos defeitos sempre surgem, o mesmo comportamento incorreto se repete. E a tentação de acreditar que "está tudo bem, você é bom, um crente sério" ronda minha consciência.

No que me apego ainda é na constatação de que tais defeitos revelam a mim, a todo o instante, como sou dependente da graça de Jesus. Mas quero - e preciso - melhorar e me aperfeiçoar na fé e no proceder cristão. Que Deus esteja comigo hoje e sempre, nessa luta cotidiana.

18 de março de 2014

CONTAMINAÇÃO CULTURAL DA INTERPRETAÇÃO DA LEI

“O Batismo de Jesus Cristo”
Aert De Gelder
Olhar algo do passado com os olhos do presente sempre gera novas (e nem sempre corretas) interpretações. O quadro de Aert De Gelder nunca teve nenhuma interpretação diferente daquela que ele planejou, não até o ano de 1947, quando ocorreu o incidente com Kennet Arnold e a consequente inauguração da ufologia moderna, ou mais precisamente não até o surgimento da teoria dos alienígenas ancestrais em 1968 com o livro "Eram os Deuses Astronautas?", que aliás surgiu apenas devido os eventos de 1947.

De repente o disco celeste, iconografia recorrente aos artistas do período da obra para representar o divino, virou um disco voador - mesmo que seja obvio que o artista nunca esteve presente no evento, ocorrido milênios antes, ou sequer tenha afirmado ter alguma revelação divina sobre a ocasião.

A simples aparência, diante de informações atuais pós eventos de 1947 e 1968 ganhou um novo significado que não era em nada aquele que o artista desejava expressar. E este é um dos melhores exemplos de como a contaminação cultural temporal pode ocorrer, gerando novas interpretações do antigo sob a ótica do novo, mas sem um critério muito bem estabelecido além do simples empirismo.

Sem um estudo de contextualização, uma representação pode ser entendida de forma totalmente incorreta, levando uma peça que representaria um inseto ser reinterpretada como prova de tecnologia alienígena no passado por exemplo.



Engana-se aquele que julga que tal fenômeno é recente. De fato, a Bíblia demonstra que isso já ocorria, e com a própria Lei divina revelada por meio de Moisés. O que me leva a pensar se não seria isso um vício de pensamento humano, algo recorrente em nosso modo de pensar que o método científico, quer de uma forma ou de outra, pode de fato ajudar a solucionar.

Em mais uma pregação do meu pastor - Rubens Santos, titular da Igreja Batista Memorial do Centenário em Campinas – uma mensagem bastante interessante nos foi apresentada, ainda uma continuação das bem-aventuranças (Mateus 5).

Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; mas qualquer que matar será réu de juízo. Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno.
Mateus 5:21-22

Jesus mostra neste trecho que a lei era interpretada de uma forma muito dura e pesada pelo sistema religioso, de tal forma que nem os mestres da lei podiam cumprir. Em suma: a interpretação da lei era muito pesada, em demasia. Mas por que? Como se chegou a isso?

A lei foi manipulada, tornando-se não a vontade de Deus para o povo, mas sim numa mera tradição. Tornou-se em uma manifestação cultural passada de geração em geração (Ouvistes que foi dito aos antigos), mas durante as eras esse conhecimento foi interpretado e reinterpretado de acordo com as mudanças culturais pelas quais a sociedade judaica passou, algo totalmente fora da vontade de Deus e fruto do pecado do próprio povo - um desvio imenso da rota que Deus havia planejado para a salvação do ser humano. Mas quais mudanças foram essas?

Houveram inúmeras mudanças em Israel entre a revelação da Lei por meio de Moisés e a vinda de Jesus Cristo. Inúmeras misturas e choques culturais ocorreram devido às constantes invasões pelas quais o povo passou - persas, babilônios e romanos sendo os de maior destaque. As próprias sinagogas surgiram neste contexto de exílio e dominação, já que nestas ocasiões o povo judeu não tinha acesso ao Templo, seu local tradicional de adoração e sacrifício.

Sob inúmeras formas os judeus e toda a sociedade israelense sofreu severas mudanças de pensamento diante tantas dominações, e a forma como compreendiam inúmeras coisas foi alterada pouco a pouco. 

Jesus deixa claro não só nessa passagem como também em todos os seus ensinamentos que Deus não exigia e nem exige aquele peso compreendido por eles incorretamente - de acordo com suas tradições que sequer eram questionadas. Por que se a lei fosse segundo aquela compreensão, seria impossível de ser cumprida.

Jesus por outro lado explica o real significado da Lei, sendo portanto o filtro que todos nós precisamos para compreendê-la adequadamente - daí o termo "analisar o antigo testamento sob a ótica do novo" faz sentido.

Quando Jesus fala "eu porém vos digo" é o momento em que ele faz a "tradução" do que Deus realmente quer dizer com determinado trecho da Lei, seu verdadeiro princípio e significado, o verdadeiro espírito da lei. Há neste instante um RESGATE do significado da Lei.

Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.
1 João 2:6

Esse trecho de 1 João diz que devemos viver como Jesus viveu. A esperança futura de sermos como  Ele - nosso alvo, nosso objetivo máximo - pode ocorrer de fato aqui e agora pois fica claro que devemos ser moralmente semelhantes à Jesus nas atitudes do dia-a-dia! Jesus deixou claro que Ele não veio para negar a Lei, mas para cumpri-la (como visto neste post). Não a lei interpretada de acordo com a visão distorcida da cultura humana, mas sim na sua mais sublime e pura essência: amor.

Cada momento e experiência de vida nos transforma e nos molda. Devemos trabalhar para orientar esta mudança em direção a Jesus.

E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.
Romanos 8:28-29

Ao contrário que muitos pensam, isso não é um peso, mas sim um enorme e revigorante estímulo! A compreensão de que isso é um processo e que nenhuma mudança ocorre da noite pro dia exige de nós apenas humildade, pois afinal a mudança vêm por nossa mera vontade e persistência em permitir verdadeiramente que o Espírito Santo, a inspiração divina, nos mude de dentro para fora.

Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.
2 Coríntios 3:18

As pequenas vitórias morais do dia a dia, como deixar de cobiçar um bem de outra pessoa, ou deixar de cobiçar uma mulher fora do casamento, ou deixar de ludibriar alguém em algum negócio, ou deixar de fazer o mal por negligência direta e consciente ou ação direta nos moldam pelo significado que elas ganham ao orientarmos isso tudo à santificação diária (fazermos o bem deixarmos de fazer o mal por amor a Jesus e a Deus), e não são destruídas pelas nossas falhas - que ocorrerão, pois somos todos pecadores.

Porque para isto sois chamados; pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas.
1 Pedro 2:21

14 de março de 2014

ACADEMIA, BARULHO E VIZINHANÇA - PERDENDO A PACIÊNCIA

Zumba - muito barulho por nada
Por que o ser humano se afunda em um ambiente repleto de barulho e poluição sonora? Mais especificamente: por que o ser humano obriga outros seres humanos a imergir num oceano de barulho, som alto e ruídos que incomodam tanto quanto ou até mais do que outros tipos de poluição?

Vou responder isso no final deste post. Antes, um retrato de minha atual condição.

Eu moro na frente de uma academia aqui em Campinas. Ela se chama "Estrutura do Corpo", na Vila Industrial. E por muitos anos nunca tive problemas com eles porque na verdade meu prédio dava para os fundos dessa academia.

Tudo estava bem até o instante em que os proprietários fizeram uma "reforma" no estabelecimento, e no lugar de uma garagem de uso privado dos proprietários surgiu uma sala de musculação. Esta sala, devido a uma total inadequação acústica (o nível da academia é bem precário e improvisado) e total falta de respeito para com a vizinhança, tornou-se uma especie de direcionador sonoro para toda a gritaria e música absurdamente alta que inexplicavelmente tem feito parte deste tipo de ambiente (aulas barulhentas como zumba ou simplesmente a música ambiente das salas de musculação tem sido semelhantes aos de casas noturnas não só no estilo como no volume).

Duvida? Então olhe esse vídeo, que gravei em diferentes dias e horários, por duas semanas:


As janelas ficam constantemente abertas, direcionando e amplificando todo o som do estabelecimento para o meu prédio, tornando meus dias um inferno e me levando a situações emocionalmente desesperadora: irritação, depressão (que estava sob controle mas que diante desse barulho todo se descontrola) e sentimentos de ódio e violência poluem minha mente. Sim, ódio e violência.


O desejo de que o barulho pare é desesperador e frustrante, pois não tenho nenhum controle sobre sua emissão. Pensamentos maléficos de retaliação e vingança surgem do meio do meu desespero, o que para uma pessoa que procura ser seguidora de Jesus é algo bastante perturbador, doloroso, deprimente e frustrante.

Não quero o mal para ninguém, mas esse desejo surge involuntariamente - direcionado ao estabelecimento - com o ódio que me aflora devido a me sentir invadido em minha própria residência, local que em última instância é meu bastião pessoal, meu refúgio final de um mundo já extremamente agressivo e opressor.

Não tenho problemas com ruídos funcionais, como o dos ônibus que passam pela rua - e causam um barulhão também - porque sei que eles são curtos e tem significância (as pessoas precisam usar transporte público para trabalhar e ir e vir em suas vidas), mas o som da academia não é funcional (você não precisa de música alta pra fazer exercícios, e se acha que precisa pode muito bem usar fones de ouvido). Também não é um ruído de curta duração, tão pouco agradável, muito menos suportável. É tão ruim quanto os idiotas e débeis mentais que passam pela rua com seus carros com equipamentos de som absurdamente potentes, tocando funk ou qualquer outra porcaria do tipo (e nesse caso podia ser até mesmo a música que eu mais amo, não iria importar, ei iria odiar da mesma forma).

Interessante notar o que li quando fazia pesquisa para escrever este artigo. Segundo Fernando Pimentel Souza [4], Professor Titular - UFMG, especialista em neurofisiologia, membro do Instituto de Pesquisa do Cérebro, UNESCO, Paris:

"Se o ruído é excessivo, o corpo ativa o sistema nervoso, que o prepara contra o ataque de um inimigo invisível, sem pegadas, que invade todo o meio embiente pelas menores frestas por onde passa o ar ou por toda ligação rígida à fonte ruidosa. O cérebro acelera-se e os músculos consomem-se sem motivo. Sintomas secundários aparecem: aumento de pressão arterial, paralisação do estômago e intestino, má irrigação da pele e até mesmo impotência sexual."

Isso explica muitas coisas pelas quais venho passando, como dito anteriormente. Além disso, ele [4] complementa:

"Pesquisa nos EUA mostrou que jovens em ruído médio inferior a 71 decibeis, entremeados com pulsos de 85 decibeis só a 3% do tempo, tiveram aumentos médios de 25% no colesterol e 68% numa das substâncias provocadoras de estresse: o cortisol. Mas já a partir de 55 decibeis acústicos a poluição sonora provoca estresse, segundo a Organização Mundial de Saúde. Pelo nível de ruído das nossas cidades e casas, a maioria dos habitantas deve estar sob estresse prolongado, surgindo ou agravando arterioscleroses, problemas de coração e de doenças infecciosas, fazendo inúteis dietas e acabando precocemente com suas vidas."

Ou seja, estou tendo minha saúde mental, espiritual e física afetadas por um lugar que - veja só você - devia ser um promotor de saúde! Uma total inversão de valores! "Venha fazer atividade física e ter saúde!" dizem eles cheios de pompa. Mas às custas da saúde de quem mora por perto, né? Na média, fazem mais mal do que bem!



Não preciso dizer que estou com meu humor e paciência péssimos.

Já reclamei na prefeitura, que disse que iria averiguar ainda no ano passado, mas que até agora não fez nada, ou fez e não surtiu nenhum efeito. Existem normas para que um estabelecimento tenha um alvará de funcionamento, mas ou não está havendo a fiscalização correta ou as exigências para a emissão de alvarás é insuficiente.

Existem normas que estabelecem a questão de ruído e níveis de decibéis em estabelecimentos, assim como questão de tratamento e isolamento acústico [8], a NBR-10152 [6]. Me pergunto se os orgãos públicos averiguam se esta norma está sendo seguida quando emitem um alvará.

O incrível é que o excesso de decibéis não incomoda só os vizinhos, mas faz mal aos próprios profissionais que trabalham no estabelecimento [3], assim como a todos os requentadores. Perda auditiva, além de todos os sintomas que mencionei anteriormente, causam muito mal à mente e ao corpo de todos. Ou seja, não é bom pra ninguém, seja para quem mora perto de academias, seja para quem frequenta academias, seja para quem trabalha em academias.

Tudo se resolveria se esta academia simplesmente fizesse um isolamento acústico [9] adequado e seguisse a normalização [6]. Academias bem estruturadas podem produzir mais barulho do que esta, mas devido ao isolamento, se você passar pela rua na frente do estabelecimento você não ouve NADA. Ou seja, há meios de resolver a situação, mas o estabelecimento em questão sequer pensa a respeito. O que me leva à resposta da pergunta inicial.

Por que o ser humano se afunda em um ambiente repleto de barulho e poluição sonora? Mais especificamente: por que o ser humano obriga outros seres humanos a imergir num oceano de barulho, som alto e ruídos que incomodam tanto quanto ou até mais do que outros tipos de poluição?


Primeiramente, estamos no Brasil. Eu sou uma pessoa terrivelmente crítica quanto ao Brasil porque eu olho as coisas como elas são. Há muitos países com culturas iguais ou piores do que as existentes no Brasil, mas há também muitos países com culturas melhores, e eu precisei de apenas 14 dias no Japão para perceber isso com meus próprios olhos.

No Brasil as pessoas não se importam nem um pouco com as outras. Nem um pouco MESMO. Se preocupam no máximo com amigos. Mas com o vizinho? Com a pessoa na rua? Com estranhos? Com a sociedade em geral? Nunca! Somos indiferentes e egoístas. Só pensamos em nosso próprio conforto e dane-se os outros.

A demagogia da nossa sociedade se manifesta nas grandes e pequena coisas, e a máscara é colocada porque gostamos de nos imaginar como um povo caridoso, bom. Seja nos políticos que fingem fazer tudo pelo bem do povo mas que não estão minimamente preocupados com a opinião pública e que prevaricam e praticam corrupção, seja no cidadão comum que se acha um pilar de bondade, moral é ética, mas que na cortesia de dar a vez no transito ou em não jogar lixo na rua ou em não incomodar as pessoas desnecessariamente é absolutamente falho. Assim, não ser capaz de refletir por alguns instantes sobre algo como "será que meu estabelecimento está incomodando a vizinhança?" é uma manifestação cultural em nossa sociedade. É ser brasileiro. É ser idiota, egoísta e estúpido.

No máximo, o que os proprietários deste estabelecimento pensarão diante disso tudo é o que todo "brasileiro" pensaria: "os incomodados que se mudem". Essa frase, aliás, representa tudo o que mais odeio nessa cultura, que é a de que ninguém nunca admite que está errado, ou que precisa corrigir algo, ou que tem um procedimento incorreto.


O professor Fernando Pimentel Souza [4] ainda disse:

"O ruído estressante libera substâncias excitantes no cérebro, tornando as pessoas sem motivação própria, incapazes de suportar o silêncio. Libera também substância anestesiante, tipo ópio e heroína, que provoca prazer, abrindo campo para o uso de fortes drogas psicotrópicas. As pessoas tornam-se viciadas, dependentes do ruído, paradoxalmente caindo em depressão em ambiente com silêncio salutar, permanecem agitadas, incapazes de reflexão e meditação mais profunda."

Assim, é um ciclo vicioso e até mesmo uma espécie de vingança ou psicopatia. A pessoa passa a achar que viver imerso no barulho é normal e que todo mundo gosta, sem a menor capacidade de refletir que o próximo pode pensar de maneira diferente e querer o silêncio. Essa é uma forma de pensamento bastante idiota. É como o Psicopata Americano, que não se importa com os outros, que sente uma dor (existencial) terrível em sua vida e quer que as outras pessoas a sintam também.

É por isso que pessoa como eu fogem das academias, mesmo precisando se exercitar. Tais locais privam as pessoas tanto do acesso ao silêncio quanto a seus próprios serviços. As academias estão fazendo, com essa cultura do barulho, um mal imenso a médio e longo prazo, e piorando consideravelmente a sociedade, fazendo exatamente o oposto do que devia ser sua missão mais fundamental: levar bem estar e equilíbrio às pessoas. Estão sendo apenas mais um dos agentes do caos.

E assim vamos indo, com a sociedade cada vez mais repleta de estupidez, de egoísmo, de barulho e de falta de paz.

Finalizando: diante de tudo isso, o que eu vou fazer a respeito?


Não sei o que posso fazer, e isso é o que mais me deixa frustrado. Reclamações na prefeitura já foram feitas sem nenhum efeito. Mudar de casa é impossível no momento, com os atuais preços no mercado imobiliário. Retaliação não é uma opção, mesmo que eu quisesse não saberia o que fazer, e não quero por saber que é eticamente incorreto.

Quem sabe mover uma ação? Mas para isso há uma série de preparações necessárias, como laudos, testemunhas, etc. Sem contar os custos de um processo. Ou seja, é algo meio inviável, mesmo porque não tenho um advogado para ver isso para mim.

O que me resta fazer é entregar ao Senhor. Deus é todo poderoso, e peço a Ele que cuide da situação da forma que entenda ser a melhor. DEUS NUNCA ME DECEPCIONOU. Me rendo diante do Pai, e peço perdão pelo sentimento de ódio e desejo de retaliação. Perdão pela mudança de foco. Meu foco não deve ser minha paz e nem meu conforto, mas sim em cumprir a vontade de Deus em minha vida. "Sei que meu comportamento poder ser... errático as vezes" mas quero mudar. Não quero mais sentir ódio, nem raiva com essa situação em especial, e com nenhuma outra na verdade.

"Seja a vossa eqüidade notória a todos os homens. Perto está o Senhor. Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus."
Filipenses 4:5-7


Fontes:

  1. http://www.stj.jus.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp?tmp.area=398&tmp.texto=108843
  2. http://pt.wikipedia.org/wiki/Polui%C3%A7%C3%A3o_sonora
  3. http://www.pgedf.ufpr.br/Referencias08/ruido%20em%20academias%20de%20ginastica%20ZN.pdf
  4. http://www.icb.ufmg.br/labs/lpf/2-14.html
  5. http://www.wikihow.com/Prevent-Noise-Pollution
  6. http://querosossego.files.wordpress.com/2008/08/abnt-nbr-10152.pdf
  7. http://querosossego.wordpress.com/
  8. http://pt.wikipedia.org/wiki/Isolamento_sonoro
  9. http://www.isoline.com.br/produtos/isolamento-acustico/

11 de março de 2014

INSENSIBILIDADE DE UM FALSO SAMARITANO

O Bom Samaritano
Ferdinand Hodler

E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo.
Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão;
E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre o seu animal, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele; E, partindo no outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que de mais gastares eu to pagarei quando voltar.
Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira.
Lucas 10:30-37

A passagem do Bom Samaritano é uma das mais marcantes da Bíblia para mim por manifestar uma das principais características que um cristão genuíno tem: a caridade e o comprometimento com o próximo. Essa passagem é direta e prática, carregada de ensinamento e significado, simples... mas absurdamente difícil de ser aplicada no nosso dia a dia.

O "não ajudar a quem parece precisar de ajuda" é um comportamento natural na nossa sociedade, pois muitos espertalhões folgados e mal intencionados se aproveitam da situação para se fazerem de coitados e praticar desde a mendigagem desnecessária até roubos e chantagens. Você provavelmente já passou por isso, tenho certeza.

Mas e quando é claro que uma pessoa precisa de fato de ajuda e você, desacostumado a praticar esse tipo de amor, ignora, olha pro outro lado, se esquiva? Eu passo muito por isso, e todas as vezes me sinto um idiota porque eu devia ter o desprendimento de ser caridoso, de ajudar, de me envolver. Todos nós devíamos. E não por sentimento de culpa - que é usado por muitos para arrancar uma "caridade" sua - ma sim pelo amor e sincero desejo de ajudar um ser humano. Um ser humano! Um ser para o qual desaprendemos a amar.

Estes dias eu estava indo almoçar, e na porta do restaurante havia um morador de rua sentado, meio acabado, olhando para o infinito. Pensei se ele queria algo para comer, mas fiquei com medo de perguntar. Medo dele querer conversar comigo ou de que ele me visse como um salvador e ficasse sempre atrás de mim para dar comida a ele? Medo de me tornar responsável por ele em algum grau? Não importa, foi apenas medo. Mas por que eu não tenho mais medo do fato de não cumprir a vontade de Deus?

Veja bem, não foi pelo dinheiro: uma marmita naquele restaurante seria barata de pagar. Então por que eu não fui lá, perguntei pra ele se ele queria uma marmita? Por que fui omisso?

E esse é só mais um exemplo da minha babaquice e auto-engano. É uma barreira que não consigo quebrar, e assim vou agindo como levita ou como sacerdote... sem me sujar, sem me envolver, sem amar.

Esse post não contém nenhuma reflexão - o ensinamento que Jesus deu ao falar essa parábola é claro como cristal. Este post é apenas um desabafo e um reconhecimento do meu pecado e da percepção - antiga - de que eu preciso mudar e melhorar, não apenas - mas ainda sim - nisso.

Assim, como um falso samaritano, finjo ajudar, finjo me importar, finjo ser o que não sou mas devia ser, e tento me enganar quanto ao estado deplorável que é minha moral e minha ética.

7 de março de 2014

O CUMPRIMENTO DA LEI

Justice and Divine Vengeance Pursuing Crime
Pierre-Paul Prud'hon

Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim obrigar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, sem que tudo seja cumprido. Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus. Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.
Mateus 5:17-20

Em mais uma pregação do meu pastor - Rubens Santos, titular da Igreja Batista Memorial do Centenário em Campinas – uma mensagem bastante interessante nos foi apresentada, ainda baseada nas bem-aventuranças (Mateus 5), na verdade em sua continuação.

Jesus coloca-se mais uma vez como O exemplo. Ele demonstra em sua vida que sua justiça é a própria justiça moral de Deus em toda a sua amplitude. O próprio Pilatos reconheceu esta justiça e a falta de qualquer culpa que Jesus poderia ter, tornando portanto o ato do sacrifício da cruz algo de profundeza espiritual infinita como pode ser visto adiante..

Jesus disse no trecho acima citado que veio para cumprir a Lei e não para anulá-la. Não sei você, mas para para mim o fato de que a Lei não podia ser cumprida por ninguém (apenas por Ele próprio) e ao mesmo tempo Ele dizer que nós devemos ser como Ele (imitá-lo inclusive no cumprimento da Lei) causa uma (falsa)  sensação de contradição.

Primeiramente é preciso entender o que é "a Lei". A Lei são as "regras, deveres e privilégios" espirituais ensinadas pelo sistema religioso de Israel na época e até os dias atuais dentro da religião judaica (e cristã). Tal "Lei" era pesada demais para os judeus (e cristãos) devido a própria interpretação que os "doutores da Lei" (clero) davam a elas. Resumindo: os fariseus ensinavam interpretações falhas (humanas) das escrituras, exigindo um comportamento dos fiéis, comportamento que eles próprios não eram e não são capazes de cumprir.

Cientes disso, nos fica claro que a doutrina que Jesus trouxe não era diferente - não houve mudança da "Lei". Ela apenas foi despida da sua interpretação falha, humana e cheia de peso, culpa e julgamento. Jesus a mostrou segundo sua verdadeira natureza, ou seja: segundo a verdadeira intensão de Deus. Não a toa Jesus fala que seu julgo era leve: Ele demonstra que seguir a Lei não é difícil como somos levados a crer, ficando sua dificuldade e peso atribuídos às interpretações falhas criadas pelo sistema religioso.

Jesus portanto não descumpriu a Lei mesmo em situações em que fariseus acharam que sim, como nos casos de pegar espigas e curar pessoas no sábado. Jesus demonstrou nestas passagens que a prática do bem e do amor nunca descumprirem a Lei, pelo contrário, cumprem-na. Esta é a verdadeira Lei: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Entendimento, cordialidade, paz, justiça, respeito. Tudo isso e muito mais.

Jesus cumpriu esta Lei na sua plenitude, realizando a vontade de Deus e dando sua vida pelo próximo, que somos todos nós. Jesus uniu assim o velho e o novo testamento, pois só Ele pode cumprir a Lei plenamente.

Tendo em mente que a Lei apresentada no Antigo Testamento é doutrinária (pois ensina a vontade de Deus), profética (pois revela a existência de Deus e a salvação do homem de seu pecado) e moral (ensina o comportamento que os filhos de Deus tem por natureza), fica claro que Jesus não rompe com o Antigo Testamento, mas sim o reinterpreta da maneira pura, sem a cultura do homem associada, como visto na carta de Paulo aos Hebreus.

Jesus é assim a continuidade da conversa que Deus começou com a humanidade no antigo tratamento. Desde o Gênesis a doutrina da salvação é a principal mensagem das escrituras, assim como o espiamento dos pecados pelo sacrifício de um inocente (o surgimento do sistema sacrificial), que por sua vez é plenamente cumprido em Jesus, o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

Jesus é de fato O exemplo. Ele cumpriu todos os preceitos éticos dados por Deus, como amor, bondade, sacrifício e amizade. Por meio dEle, fica claro que nosso relacionamento com Deus se resume em estabelecer um novo padrão de vida diante do Pai, um padrão segundo sua vontade.

25 de fevereiro de 2014

QUE LUZ SOU EU? SEM ESPAÇO PARA A CULPA

"José o Carpinteiro"
de Georges de La Tour
http://en.wikipedia.org/wiki/Joseph_the_Carpenter
Em mais uma pregação do meu pastor - Rubens Santos, titular da Igreja Batista Memorial do Centenário em Campinas – uma mensagem bastante interessante nos foi apresentada, ainda baseada nas bem-aventuranças (Mateus 5), na verdade em sua continuação.

Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.
Mateus 5:13-16

Há uma conotação, dada pela igreja de forma geral, que diz que DEVEMOS SER sal e luz, e de que exista uma obrigação em sermos assim. Mas o texto não nos conclama a uma obrigação, mas sim a uma natureza: não nos tornamos, já somos.

Somos desafiados pelas pessoas a sermos sal e luz, em uma interpretação equivocada de que devemos nos ater a conter nossos impulsos, a não olharmos e darmos vazão às oportunidades para cometer o mal e aquilo que não é a vontade de Deus. Bem, é isso, mas muito mais e ao mesmo tempo mais simples. É se comportar e ter atitudes que vão contra a cultura humana do egoísmo e submissão pelo uso da força. É se preocupar com o próximo, respeitar o ser humano, agir com bondade, com calma e paciência. É ser equilibrado e justo, buscando o bem comum. É amar.

O conceito de ser sal e luz está logo após os versículos das bem-aventuranças, e não são um novo assunto mas sim uma complementação (ou conclusão) das próprias bem-aventuranças que Jesus falava anteriormente, que são as qualidades do Reino de Deus manifestas em nós e por nós. Não há portanto uma obrigação em ser sal e luz, mas sim uma constatação de que uma vez aceitando Cristo, já somos sal e luz, sendo este sal e luz manifestações da nossa nova natureza como salvos.

E ai me pego nos dias atuais, onde ando sem a menor paciência e a irritação me domina, por um monte de razões que diante de Jesus Cristo não são justificativa alguma.

Uma mulher muito sonsa parou o carro na entrada do meu prédio, bloqueando entrada e saída de veículos (e eu estava tentando chegar em casa, com o dedo dolorido de uma cirurgia e cansado após um sábado inteiro estudando em minha pós graduação), para deixar um papel na portaria. Ela foi se arrastando, e demorou bem mais do que 3 minutos, pegando e depois colocando os papéis no porta-malas do carro. Acabei gritando com ela e minha vontade era de ver o sangue dela escorrendo pelas ruas.

Alguns dias depois, em casa, desejei em voz alta o mal aos proprietários da academia que fica de frente com meu prédio e com a qual tenho sérios problemas, por fazerem imenso barulho todos os dias até as 21h. Minha esposa mesmo me olhou com receio e me disse: "olhe bem o absurdo que você está falando".

Fiz exatamente o oposto do que Deus espera de mim., para minha vergonha e desserviço ao Reino.

Não me vejo como sal e nem como luz. Não vejo em mim as qualidades da nova natureza que eu deveria ter adquirido. Não vejo em meu proceder a mudança que dizem que apenas Jesus promove. Se todas essas mudanças no entanto só ocorrem por meio do poder de Cristo, só posso supor que eu nunca o aceitei verdadeiramente - o que me deixa em maus lençóis pois não sei de que outra forma eu deveria aceitá-lo então - ou as mudanças já ocorreram em mim e eu sou incapaz de reconhecê-las.

Há ainda uma terceira hipótese, e penso, seja a mais obvia.

Não sou um idiota. Sei que todos os crentes tem explosões como estas e que todos somos pecadores e que todos falhamos e iremos falhar até nossa ida para a Glória do Senhor, e que nossa vida cristã é essa luta constante pelo aperfeiçoamento no Senhor. Me incomoda muito não conseguir ter o domínio próprio que sempre julguei ser marca registrada do crente, o comportamento manso, o amor incondicional e o proceder virtuoso que faz com que as pessoas vejam Cristo vivendo por meio daquela pessoa. Mas acho que esse é o ciclo natural da vida cristã:

Deus nos aperfeiçoa durante todas as crises pelas quais passamos. Falhamos miseravelmente na maior parte do tempo, no início da nossa caminhada, e a consciência de Cristo surge então para nos confrontar, não como um dedo acusador que demonstra "você pecou" mas sim um abraço amoroso que diz "vá e não peques mais" pois o trabalho de acusação já é feito perfeitamente por nós mesmos, pelas pessoas a nossa volta e pelo próprio Satanás, nos esmagando em culpa.

Caminhar com Jesus é um aprendizado, uma evolução, uma mudança gradual em nós rumo ao formato de Cristo. Tudo nesse mundo é temporal, as coisas não ocorrem imediatamente e toda obra leva seu devido tempo. Deus construiu nossa realidade física dentro destes princípios, e mesmo tendo todo o poder para agir fora dessas regras, acho que Ele não faria isso, pois tais regras tem sua razão de existir.

Me incomoda ver como eu devia ser e constatar no quão longe estou de me aproximar dEle, e entristecê-lo, e não conseguir demonstrar por meio da minha vida a verdade que Ele é, e com isso, desestimular pessoas a se aproximar dEle por acharem que, por falhar, eu não creio ou aquilo em que creio é falso.

Não pretendo desistir daquele que nunca desistiu de mim. Porque eu sei que essa é a vontade do Senhor: não que eu peque, mas que eu me deixe mudar, dia a dia, pela percepção de meus pecados e de como meu proceder deveria ser. E se hoje sou uma luz pálida, uma chama frágil que tremula na escuridão e que muitas vezes parece não iluminar nada, sei que Deus está ao meu lado e sempre buscará alimentá-la para que se torne cada vez mais brilhante.